Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

.: 120. Memoirs of a Geisha, Arthur Golden :.

488 páginas

 

Sinopse:

Sayuri tinha um olhar invulgarmente belo, de um cinzento translúcido, aquático, a reflectir numa miríade de cristais límpidos o brilho prismático e incandescente do universo perfeito e atroz sobre o qual repousava. Era uma transparência súbita, inesperada, a contrastar violentamente com a estranha opacidade branca da máscara onde sobressaíam uns lábios exageradamente vermelhos. E se os olhos ainda reflectiam Chiyo, a menina de nove anos, filha de pescadores, de uma cidade remota, junto ao mar, a máscara inquietantemente delicada, o penteado ostensivo, a sumptuosidade dos quimonos de brocados, ricamente ornamentados, pertenciam à mulher em que ela se tinha tornado, Sayuri, uma das mais célebres gueixas do Japão dos anos 30. É este mundo anómalo, secreto e decadente, construído sobre cenários de papel de arroz e que parece ser a manifestação da própria fantasia erótica masculina que Golden evoca com uma autenticidade notável e um lirismo requintadamente raro. Um romance sobre o desejo e a natureza indominável do espírito humano; desafiador, cativante pela pureza da prosa, pela prodigalidade das nuances, das atmosferas, das imagens esculpidas com a precisão e subtileza da arte do bonsai.

 

Opinião:

Peguei neste livro cheia de curiosidade, mas também tentando não criar expectativas demasiado altas. Não sou alguém muito picunhas no que toca a leituras - gosto de variar e de experimentar um pouco de cada estilo e género. No entanto, um livro sobre as tradicionais gueixas não é algo que nos apareça pela frente a toda a hora. Tinha receio que um tema tão invulgar tivesse resultado numa obra pesada e aborrecida.

Não sei se essas expectativas contidas contribuiram para o facto, mas a verdade é que me apaixonei pelo livro. É em tudo perfeito: no enredo, na linguagem, na forma como a personagem principal me pareceu tão viva, como se saltasse das páginas. Esta foi uma história que me envolveu completamente e que pede para ser saboreada com calma; por isso levei algum tempo a terminar a leitura, mas valeu muito a pena.

Aprendi imenso sobre um tema que nunca pensei ser do meu interesse. É fascinante ver como era a vida de uma gueixa nos anos 30, e espreitar um pouco do mistério e de toda a tradição que as envolve. Este foi, sem dúvida, o melhor livro que li durante este ano. Recomendo a todos!

Sílvia às 17:07
link | comentar
:
De marisa duarte a 11 de Janeiro de 2010 às 20:02
ai este livro. Adorei tanto. E o filme também já o vi. Não se compara ao livro, no entanto é giro. Um tema diferente daqueles que estamos habituados a ler.
De Sílvia a 12 de Janeiro de 2010 às 21:22
Diferente e muito bem explorado. É mesmo fantástico o livro.
De aquela a 14 de Janeiro de 2010 às 22:07
Também já li o livro e adorei. Considero que foi um dos melhores livros que li. :)
Beijinho

Comentar post