Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

.: 124. A Conspiração de Papel, David Liss :.

416 páginas

 

Sinopse:

Benjamin Weaver, judeu português, detective, espadachim e um famoso ex-boxeur, move-se com maestria e confiança na Londres do século XVIII. Trabalhando para clientes aristocratas na cobrança de dívidas difíceis, vive afastado da família devido à má relação com o seu pai, um abastado investidor da bolsa. Mas quando este é brutalmente assassinado, não pode ficar de braços cruzados.
Descendo ao submundo do crime londrino, Weaver ziguezagueia entre bordéis, cervejarias, prisões e casas de jogo, para descobrir uma conspiração que o ameaça não só a si, mas também à própria Inglaterra. Um romance histórico fascinante, A Conspiração de Papel arrebata os leitores, página atrás de página, com um enredo envolvente e personagens apaixonantes de um período único da história.

 

Opinião:

Este livro foca-se num tema não muito utilizado para construir romances históricos: a especulação e o mundo das accções. Em A Conspiração de Papel somos transportados até à Londres do século XVIII, ao período durante o qual decorreu o que é considerado o primeiro crash da bolsa no mundo de língua inglesa: a Bolha da Mar do Sul. É, por isso, uma obra que descreve em alguns pontos o funcionamento do mercado de accções naqueles dias. À partida, pode parecer um tema um pouco aborrecido, mas revelou-se muito interessante.

Interessante também foi o facto de o enredo girar em volta das aventuras de um judeu português. É sempre uma surpresa agradável e divertida encontrar referências ao nosso país em obras escritas no estrangeiro.

Este livro foi uma óptima companhia. Gostei muito da história, que consegue ser bastante emocionante.

Sílvia às 18:29
link | comentar